sábado, maio 21, 2005

No Pain, No Gain

Vou dar-vos a conhecer o pro-wrestling.

Sim, aquilo que todos os pais dizem "Isso é uma porcaria" e "Isso é tudo a fingir". Vocês sabem do que falo pois acredito que os leitores deste grande blog sejam quase todos com essa filosofia.

Em primeiro lugar quero que se distinga "falso" com "pré-determinado".
Os lutadores e árbitros entram no ringue a saber quem ganha, como e quando. Eles entram no ringue a saber o que fazer em 5 minutos dos 20 em que lutam. Esses 5 minutos são os chamados "spots" onde são os pontos altos, que já foram previamente treinados devido ao seu risco. O resto do tempo é tudo combinado na altura, de forma rápida e eficaz de modo ao público.
Depois não me venham dizer que quando um indivíduo cai de 3 metros de altura aquilo é a fingir! Eu não vejo lá cordas nem colchões. Os ataques no pro-wrestling não são a fingir. Eles são é feitos de modo ao risco envolvido e a dor causada ser a menor possível. Não é muito difícil de perceber isto.

Outro ponto que quero destacar é o facto de, para muitos, o pro-wrestling ser uma telenovela. Para vos abrir os olhos tenho de vos introduzir outro conceito do wrestling: as promoções. As promoções são, de certa forma, as "ligas". Onde tal wrestler luta no determinado local com o determinado titulo. Cada promoçao (ou federaçao) tem o seu plantel (as vezes partilhado com outras federaçoes) e os seus titulos.
Telenovel é o pro-wrestling que se encontra a ser a transmitido na televisao. Essa federação é a WWE (World Wrestling ENTERTAINMENT). Eles aliam os combates com o factor telenovela de modo a não ser o Wrestler A vs. Wrestler B mas sim o Wrestler Bom vs. Wrestler Mau. Somente essa federaçao que é transmitida é a telenovela, sendo outras federações mais escondidas sem esse factor telenovela.

Finalmente quero mostrar os riscos e a beleza do desporto. Na televisão encontram 2 macacos aos saltos no ringue atirando-se para o chão. Mais uma vez, isso é na federação que se encontra a ser transmitida na televisão. Essa federação é de nivel mundial, sendo os seus atletas de grande valor, nao podendo arriscar muito o seu corpo. Querem ver risco e espectáculo? Sugiro a procura de fotos como se encontra no seguinte site:

http://www.whacks.bizland.com/CZW/COD6/COD6.html

ou então podem consultar o seguinte blog:

http://backseatboyz.blogspot.com

Agradeço a todos que critiquem o pro-wrestling (e principalmente aqueles que nao respeitam quem gosta) que vizitem os sites acima mensionados.

Cumprimentos a todos

sexta-feira, fevereiro 11, 2005

Por um manifesto da blogosfera

A campanha eleitoral para as legislativas de 20 de Fevereiro, mais não está a fazer do que mostrar a deliberada atitude dos "nossos" políticos na promoção do afastamento dos cidadãos na discussão pública de ideias para o país.

As ideias deram lugar a meros lugares-comuns, a frases-feitas, sem objectivos sustentados e orientadores para um rumo que se pretende urgente para o país.

Falar muito e com vivacidade, principalmente quando as luzes dos holofotes das televisões estão ligados, é muito pouco para os portugueses, que querem mais e pretendem ver definidas políticas sustentadas para a resolução dos problemas existentes.

Discute-se a necessidade de uma maioria absoluta. Pergunta-se: "Para quê?". Trata-se de uma realidade que pode acontecer, mais por uma atitude decorrente de um "mal menor", do que por mérito próprio. Se assim for, será merecida essa maioria?

O que fazer quando, de lés-a-lés na "nossa" blogosfera, as críticas fazem um coro ensurdecedor, num sinal claro que os políticos, em vez de as interpretarem, lhes viram as costas?

A cidadania exerce-se opinando. Evitar uma força que pode determinar uma mais-valia para o país, não passa de uma tentativa de branqueamento da realidade, com o fito de limitar os danos que possam ser causados pela concretização de um objectivo que se circunscreve ao "poder pelo poder".

É por isso que este manifesto pretende ser a voz da blogosfera para o exterior e que consubstancia os "posts" que diariamente são produzidos sobre a cidadania e importância de pensar, de ter ideias, de existir.



Este blogue é de todos e para todos. Por isso, para que possas dar os teus contributos e participares no manifesto, fica com estes dados:

Username: cidadaocomopiniao
Password: portugal

quinta-feira, fevereiro 10, 2005

Manifesto pela cidadania

A campanha para as Legislativas de 20 de Fevereiro tem sido pautada pelo ridículo, pela falta de sentido político dos responsáveis partidários, pelo despautério e arrogância com que são encarados os eleitores e pela completa e inequívoca falta de projectos estruturantes, ou de outro tipo que sejam, nos manifestos eleitorais de qualquer um dos partidos que se apresentará a votos dia 20.

De todos os quadrantes políticos chegam mensagens de populismo propagandístico e eleitoralista. Nenhum candidato a Primeiro-ministro de Portugal faz a mínima ideia do que há-de fazer, se por acaso do destino, chegar ao cargo. Qualquer um deles se prepara para governar o país numa base conjuntural, de saneamento financeiro a qualquer custo, de bovina estagnação quanto ao papel de Portugal na União Europeia.
Sendo assim, serão os próximos tempos um regime tecnocrático, sem qualquer principio social ou humanista. Finanças e economia. Só. Tudo o mais será acessório e governado com acções pontuais.

Isto que apresentei é bem sabido pelos portugueses. Nenhum cidadão tem esperança na mudança de rumo para Portugal. Todos esperam, a maioria impávida e serena, e alguns mais preocupados, poucos, limitados ou ausentes da esfera política.

Com isto é por demais evidente que os portugueses manifestam um total alheamento de tudo o que diga respeito às eleições. Já a ninguém interessa se ganha o partido A ou B. É evidente que, qualquer que seja, seguirá o mesmo rumo político no essencial. A abulia e a despreocupação estão instaladas. Como já disse, parece que as eleições decorrem em Espanha. O maior bulício eleitoral está a ser mantido, qual comatoso, por uma comunicação social parcial, tendenciosa e pouco preocupada em esclarecer os seus clientes.

É interessante perceber o que está por trás deste Manifesto. É a comunidade blogger que se sente defraudada e ludibriada. É nesta mesma comunidade que o espírito crítico mais vive, independente e livre de partidarites ou objectivos de carreirismo político. É isto que nos une, da esquerda à direita, para repudiarmos veementemente este tom que roça o insulto e porque se pautam os partidos políticos da contenda.

Flavius

Mudança de password

A pedido de muitas famílias foi alterada a password que permite a todos, democraticamente e com amaior pluralidade possível, postar aqui as vossas opiniões.

A nova password é: PORTUGAL.

P.S. Assinem sempre as vossas opiniões, ao menos com um pseudónimo!

Flavius

MORALIZAR É PRECISO!

(...) é necessária uma moralização dos nossos políticos e que tal passa também pela educação escolar de base que deverá investir profundamente na formação social e moral do aluno (Não falo nos pais pois tal questão nem deve ser levantada, afinal essa já é a sua função/obrigação). O objectivo final será o de construir um homem/politico sério que seja acima de tudo mais rigoroso consigo próprio.Os cidadãos merecem deputados que cheguem ao parlamento à hora marcada para início dos trabalhos, não merecem certamente dois Primeiro-Ministos que se apresentem na AR à hora do almoço. Não merecem indivíduos que vão para a politica com a exclusiva finalidade de beneficio próprio. Não merecem campanhas de insulto mútuo nem mentiras a qualquer preço com o com o objectivo final de “levar a Taça”.
Por fim, o próprio cidadão deveria ser mais exigente consigo e com os outros; Deveria reclamar sempre a Verdade e punir severamente a Mentira. Deveria estar melhor informado para saber imediatamente distinguir a apresentação de uma Ideia e uma Mentira bacoca. Deveria saber porque razão sai à rua atrás do seu candidato agitando bandeirinhas. Deveria ser capaz de esclarecer outros o projecto deste ou daquele e não apenas responder “Fulano é fixe!”
Excelente ideia a abertura deste espaço. Estão de parabéns!
Nesta campanha eleitoral, todos os quadrantes políticos falam que se está a fazer uma campanha pela negativa. Episódios como o do Professor Freitas do Amaral, como a eventual afirmação do Professor Cavaco Silva, como os colos do Doutor Santana Lopes, boatos sobre José Sócrates, etc.
Estes episódios, têm tido uma cobertura mediática sem precedentes, e são alimentados sucessivamente por todas as partes, numa desenfreada campanha de desinformação.
Se todos os políticos, estão de acordo que a campanha não está a informar os portugueses, dos seus reais problemas, como querem os políticos que no dia 20 de Fevereiro os portugueses saiam de casa para exercer o seu direito de voto?
Vou votar na demagogia?
Vou pactuar com esta campanha de desinformação?
Onde estão as discussões sérias, sobre a saúde, a educação, a criação de emprego?
Onde estão as discussões sérias sobre as políticas económicas e sociais?

Peço um apelo com objectivos!

Meu caro amigo,
Louvo-lhe a iniciativa e a boa intenção.
Faço notar, no entanto, que neste imenso universo que se chama blogoesfera, aparecem todo o tipo de blogs e posts.
Reconhecer a pouca qualidade dos políticos é fácil, está à vista, é inegável. Os motivos ou os interesses particulares ou comuns, com que cada um o faz, já é outra conversa. Por isso me parece demasiado abrangente e nulo de eficiência o objectivo do fazer ouvir a blogoesfera.
Isto porque, a meu ver, só é possível fazer oposição credível à confusão actual, com objectivos democráticos, claros, úteis e atingíveis (mesmo que à primeira vista não pareçam sê-lo, mesmo que exijam muita luta).
Comecemos pela primeira condição: democráticos.
A blogoesfera é um meio restrito que, do ponto de vista democrático, não pode reivindicar qualquer representatividade, a não ser para reivindicar mais democracia, porque, para isso, toda a gente tem legitimidade.
Penso que todos sabem as minhas opiniões sobre o funcionamento da nossa democracia e sobre as medidas para o melhorar. Porém, exactamente para que ninguém me possa acusar de não ter legitimidade em relação àquilo que reivindico, a primeira reivindicação é a de que as alterações que proponho sejam referendadas. Muita gente hesita, mas apenas por subserviência para com os caprichos e ditâmes dos políticos, não porque não reconheça as vantagens.
Isto tudo para tentar explicar que, a mim, me parece mais útil alguma coisa com conteúdo, que pressuponha opções claras, do que coisas assim que podem ser tudo, e o seu contrário, ao mesmo tempo.
É bom ter iniciativas e não perder capacidade de as ter. Mas, pior do que não ter iniciativas, é não evoluir e não aprender com as insuficiências, porque isso pode significar que, ao primeiro desaire, se desista, em vez de corrigir os erros e avançar, que é a atitude correcta. Até porque nada se esgota no próximo dia 20.
Um abraço.
Biranta.